23.12.13

LII

O que você fez por mim ninguém nunca mais fez no que é chamado de história da humanidade.
Estranha sensação, um pouco de culpa, só Deus sabe o que terá em nossos caminhos.
Por uma forma em te agradecer: nunca esquecerei as tuas palavras!

Conheci alguém que me faz lembrar outra pessoa,
E nesse meio tempo pensei como minhas ações causam o sofrimento de outra pessoa e o meu.

Podemos chamar como quiser, mas é o carinho que sinto por você.
O ano que entra será o nosso ano, uma vingança pelo o que temos e o quanto não queremos.
Obrigado.
Assinado: Votos de felicidade

11.12.13

LI (Sonho Serão)

Sonhos nunca param,
Espero não cessa-los
               mesmo se eles forem alcançados.

7.12.13

L

De dentro do ônibus vejo pouca perspectiva nos olhares, em nossas vidas.
Estou cansado de um futuro incerto, um futuro que não chega.
São tantas imagens pelo mundo, não há nenhum lugar que se olhe e não olhe com um desejo pervertido.
Estou cansado de não ser um milionário, de me pedirem para me conformar com um pouco de comida, sexo e dinheiro.
Estou cansado de ouvir reclamações, cansado do que temos que passar para ir até a esquina ou para ficarmos num sofá tomando café com leite e fumando um cigarro;
Cansado de ver os velhos contando moedas, cansado do que ela chama de realidade, do que eles chamam de amor.
Cansado dos lugares que temos que ir e dos que gostamos de ir.

Eles nos dão direitos porque viram que podemos enriquece-los,
E vendo bem, não é tão direito assim. 

Nós somos roubados por todos os lados.

4.11.13

XLVIII



  Nem todas as mulheres nasceram para ser mãe, minha mãe mesmo não nasceu para ser mãe. Por dia perdemos um bom punhado de delicadeza, as pessoas deveriam respeitar isso. Mulheres não deveriam perder-se em algum canto.
  O obstetra entregou a criança em seu colo e lágrimas rolavam dos seus olhos, nos braços de Paula estava seu filho e ela o detestou por ele ser preto. O pai da criança entrou no quarto, e com o rosto assustado, Paula foi arremessando seu ódio:
- Seu merda, você me deu um filho preto! Bem que meu pai dizia antes dele morrer: prefiro que você se case com um branco cachaceiro do que com um preto rico! Você acabou com minha vida! Você e essa droga de criança!
Nos dias que passaram no hospital, em nenhum momento Paula deu leite ao menino, não queria ficar com ele e quando voltou para casa, a criança foi no colo de sua avó materna.
  Ao chegarem em casa, algo de um vazio misturava-se ao ar, os sintomas de existência eram perturbadores.  As duas olharam-se – não há nada tão desesperador em nosso tempo do que crianças:
- Mãe, eu não quero isso! – falou Paulo, com sofrimento – Como poderei exibir isso pelas ruas?! Parece uma doença.
- Na hora que você viu aquela pica preta você não pensou nisso! Tome vergonha na cara, Paula! Isso o que você diz com essa cara de nojo é seu filho! Tenha dó, assuma essa criança! – respondeu sua mãe fervorosamente.
- Não, mãe, eu não posso. – Paula com os olhos baixos por vergonha daquele filho – Fique com ele, cuide dele pra mim.
Então, a criança foi morar com sua avó. O pai depois de um tempo foi embora. Mais uma vida destruída. A mãe envolveu-se com outros homens e esqueceu-se do menino, ficou viciada em calmantes e outros psicotrópicos até que chegou o dia em que foi afastada do seu trabalho por licença.
  Após oito meses do nascimento do menino, Paula foi finalmente visitar ele e sua mãe; a avó ficou feliz, aquele reencontro lhe dava as esperanças de uma vida nova. Paula e o menino ficaram sozinhos no quarto durante um bom tempo, quando a avó foi vê-los, ao ver a cena deu um grito: Paula tirava a pele do menino com uma navalha e falava: “Olha mãe, estou deixando o nosso menino branco.”.

Há doze anos

  Meu marido me traiu na rua, pegou AIDS e passou para mim e eu passei para nossa filha através do meu leite. Vivemos juntos até hoje, tenho medo de ficar sozinha.
Pense que num lugar uma pessoa está se afogando
Enquanto uma pessoa está louca por saber que está grávida
E alguém é demitido.
Submersos num aquário de misérias,
Amarramo-nos em nossas dualidades;
E não nos aceitamos.
Você engana ou é enganado.

25.10.13

16.10.13

XLVI (O homem e os gatos)



  “Fartaremo-nos hoje, mesmo se não tivermos nada para amanhã. Depois nos alimentaremos da fome e prometeremos sermos a prudência em pessoa.” – esse era o lema do velho debilitado em uma cama dura, lancinando seus últimos suspiros.
  Sim, teve um tempo em que teve bastante dinheiro e, por conseguinte, bastante respeito também. A mesma vida que lhe deu de berço um lugar pobre e baldinhos para tomar banho, então lhe dera a chance de saborear o alívio por ser alguém, um tenor com qualidades anti-heroicas. – Sim, o tempo mostrou que ele foi um anti-herói, com todas as quimeras e quedas de um anti-herói. – Sua sorte intra uterina tinha finalmente se apresentado à luz, e a mísera criança dissonante passou a ser um rei de uma noite para a outra, alagando os sertões com sua voz – a mesma voz que um dia lamentou-se por existir.
  Mesmo se pudéssemos viver cada segundo de nossa vida, cada efemeridade nos perturbaria de uma forma ou de outra. Assim como ele tocou a glória repentinamente, da mesma maneira ele afogou-se no ostracismo, ou melhor, ele cavou sua própria cova com todos os cuidados possíveis.
  “Deve-se entender que não é possível comprar as pessoas, apenas aluga-las por certo tempo.” – Atualmente a vida familiar não passa de interesses maculados, assim aconteceu com esse personagem atemporal – quando ele tinha o dinheiro, seus filhos e mulheres o amavam; quando perdeu o dinheiro, consequentemente perdeu tudo, até porque ele fez do dinheiro a base de todas as suas relações. No seu auge, ele comprava qualquer coisa para as pessoas e humilhava qualquer pessoa; e assim ele galgou em sua queda, adornando-se com as teias da escuridão; ele foi perdendo coisa por coisa: fama, dinheiro, filhos, saúde e por fim seu carro.
  Sendo chutado numa casa suja; quem era um rei tornou-se num escravo do fracasso, transpassado por seus próprios erros. E ele acabou com suas pernas e suas mente, e está deitado por anos; e aí então, vez ele abdicou da malícia e passou a viver com vinte e um gatos sem pedir nada em troca, apenas deliciando-se com os arranhões.
  E enquanto existir o vento, ele se fartará com resignação.

XLV (Apaixonados)



  Valdecir era um pai intransigente, por vezes um ditador dentro de sua casa; dava as horas em que sua esposa, a Cici, poderia sair e a que tinha de voltar... Possuía a natureza de um inspetor de internato para menina, amava a ordem, e por vezes, amava o progresso também.
  Porém sua filha Margot era a única que ele não tinha a coragem dar ordens. Era estranho, ele sabia disso, no fundo de sua alma algo o inibia de mandar em Margot, e até o amedrontava quando estava em frente à sua filha. Às vezes a menina fazia o pai de gato e sapato, como quando tinha doze anos e foi à rua para dar o seu primeiro selinho; na volta à casa, o pai perguntou onde ela estava, Margot passou direto, nada respondeu e se trancou em seu quarto ainda em êxtase com o beijo.
  Um belo dia aconteceu algo que nenhum dos três ali esperava. Não se sabe de onde Valdecir tirou coragem e conseguiu dar cabo de suas palavras. O caso é o seguinte: há duas semanas, na mesa de jantar, Valdecir fez a seguinte insinuação à Margot:
- Margot, você já está com vinte-e-três anos, minha filha. Precisa arranjar um marido, não quero que você seja uma solteirona como sua prima Lúcia.
- Hum?! Pai, não quero me casar! – Margot berrou por causa do susto.
- Então hei de arranjar um bom marido para você! – retrucou Valdecir com uma coragem que ele não sabia que possuía; talvez não possuísse, algo baixou sobre ele.
- Duvido, eu duvido! – palavras audaciosas e cruéis para os ouvidos de Valdecir.
Sentindo-se afrontado, Valdecir tinha que honrar suas calças, e então escolheu Rodolfo, um amigo que conheceu através de um primo; bom rapaz, possuía um emprego na Cedae, ganhava medianamente bem. Margot, pega de surpresa, não quis aceitar de inicio, porém gostou um pouco de Rodolfo e, principalmente, não queria fazer força opositora ao pai; tinha a certeza que após o casamento passaria a amar Rodolfo, por enquanto apenas o achava bonito.
  Foram uma semana de namoro e quatro meses de noivado, Margot já estava disposta a se casar de bom grado; e Cici gostava muito do rapaz, Valdecir mais ainda – os dois iam juntos aos jogos do Vasco, jogavam baralho no bar da esquina, conversavam horas a fio etc. Margot gostava muito da proximidade entre o pai e o futuro marido, achava que tinha tirado a sorte grande.
  Então os dois se casaram, foram passar a lua-de-mel em Cabo frio numa pousada onde Valdecir podia pagar. Tiveram sua noite de núpcias, a lua-de-mel foi incrível; apenas uma fato chamou a atenção de Margot. No sexto dia de lua-de-mel, Rodolfo disse que sentia saudades do pai de sua esposa... “É bobagem” – pensava Margot, e logo depois esqueceu o fato.
  Após dois meses de casados a vida estava muito boa para o casal, Margot não se arrependia em nada, Rodolfo era muito carinhoso para com ela. Porém, Rodolfo passava cada vez mais tempo com Valdecir; o que, de certa forma, Margot era um pouco contrário:
- Você vê mamãe... Rodolfo passa horas e horas todos os dias com papai, quero ele sempre perto de mim! – Queixava-se Margot com Cici.
- Minha filha, homem bom é homem que fica na rua, assim não fica em casa perturbando e sujando. E é muito boa essa amizade entre seu pai e Rodolfo, isso é raro no mundo de hoje.
- Mas mamãe, não pode ser tanto assim, nem tanto ao sol nem tanto ao mar. Ela sai do trabalho às seis e só volta às nove, fica batendo papo com papai. Para você saber, nem todo dia ele quer fazer sexo comigo.
- Deixa de Bobagem, Margot!
  Enquanto isso Rodolfo e Valdecir assistiam à novela das sete num hotel barato no centro, os dois enrolados em toalhas. Valdecir tasca um beijo na boca de Rodolfo, de maneira ultrarromântica, como um casal recém-casado; e olhando nos olhos do parceiro, diz com ternura:
- Minha filha nunca vai saber! Não pode! Eu te amo! – e dava cada vez mais beijos apaixonados em Rodolfo, e então os dois foram rolando, um enrolado no outro, pelo chão daquele quarto.
  Assim os três eram felizes, e seriam ainda mais com o passar do tempo... Até que a morte do pai os separassem.

25.9.13

XLIV

Nunca ter convivido com a minha mãe me salvou de um inferno pior;
Um pai foi embora,
Tanto faz se está morto,
Agora não preciso mais,
Mas se eu souber que esse puto anda com grana, vou roubar um pouco.
Toda mãe é uma puta,
Todo pai um merda.

Algumas pessoas colocam tanta expectativa em mim;
Não tenho a felicidade para ninguém, porra.

Cresci num lugar que apenas ensina a impunidade,
Então entenda o porquê devoro tua alma.
Realmente foi bonito te ver cantarolando pelos corredores,
Mas no momento apenas escuto queixas
E faltou ideias para concluir o que queria falar.

A dor sempre acompanhou,
Confio nela,
E passei uma vida inteira odiando o que sou,
Mas só agora tive ciência disso.
Obrigado.

18.9.13

XLIII

De seis em seis meses eu me acho um idiota.

Ainda queria sentir raiva da minha mãe, de meu pai e de mim,
Mas não sinto;
E o que pode ser um homem sem raiva?

Estamos sendo muito egoístas na arte, eu sou;
Sabe, a vida já é, os pusilânimes são os primeiros a serem escolhidos para o time;
Quando eu era criança não era assim.

Talvez alguém já pensou no que segurar quando as próprias ideias enganam,
Mas não são ou eram ideias próprias.

O menino sensível cometeu suicídio,
Ele não tinha outra alternativa.
Eu presenciei e pude sentir ele indo embora,
Acho que não dói mais, se é que um dia doeu.

O que magoa é saber que nesse mar não tem cabelos para, ao menos, ajudar.

13.9.13

XLII (Só um grande poema)

Sabe, é bem duro saber que as coisas podem não dar certo.
Anos desperdiçados, vinte anos e ainda tento escrever,
Mas ninguém lê e tenho muita preguiça.
Tenha batalhado para não perder meus sonhos, talvez de uma forma não tão sincera;
Não existe nada que não seja nocivo,
A verdade principalmente.
Sou um peixe egoísta, e as ondas sonoras difundiram-se, provavelmente perderam o sentido,
Inocência foi misturada num saco onde tinham os plásticos e os bebês sensíveis.

Mas ainda há uma voz interior que diz
- Qualquer coisa é melhor fazer sozinho.

Tentei fazer parte do grupo, desculpe.

5.9.13

XLI

Como um filhinho de Deus não vou me matar,
Como um filhinho de Deus quero morrer.

Estamos ficando velhos,
E eu idiota,
Mas ela me disse que não existe homem como eu.

30.8.13

XL (23/07/11)

Num vinte e três de julho volto às vinte e três horas,
Volto de um festa boa, mas eu estava chato;
Não chato, estava só... estou só como nunca.
Porém não é a isso que escrevo.
Volto cedo pois no dia seguinte seria aniversário da minha vó;
Ela estava eufórica, faria sessenta anos, talvez achasse que nasceria de novo.
Chego então no horário que já citei;
Minha mãe estava chapada de calmantes,
Falava uma porção de merda,
Chegando até a quebrar copo,
Achei que iria acabar com tudo...
Antes fiquei com medo de eu acabar com tudo,
Pois sempre acabei com as festas de família.
A inveja que ela sente por sua irmã e, quiçá, o ódio que sente por mim estavam visíveis a olho nu.
Então comemos o bolo,
Todos foram dormir,
E aqui estou eu mais só do que nunca.

24.8.13

XXXIX (Tanta solicitude em um soneto)

Ela chapiscou o oceano em minha face,
Sentei perto do ralo e quando dei conta ela tirava as minhas medidas;
Levou-me ao banheiro e beijou como homem, pendurou no ombro uma flor
E o seu medo não tinha rosto. Repouso em seu colo, deduzo a cor por pura paranóia.

Encosta em minha cabeça um caderno, suando e   
Ao mesmo tempo é frio. Crio que está dura moldar.
Sumiu bem devagar, levou café,
Quebrou o piso com um salto. 

Me mostra sua virilha,
Retira o ar que já não tinha,
Entorpece no meu gosto.

Dependia de uma sina,
Era tão menina,
E estava morto. 

15.8.13

XXXVIII

O filho é meu, mas poderia ser de qualquer um.
A minha suplica pode ser a súplica de qualquer um.
Essa tempestade não fui só eu que fiz.

Me odeia, mas poderia odiar qualquer um.
Minto e poderia ser qualquer mentira.
Eu leio sacanagem. STOP numa placa e sensação desleixada.

E se para de fazer algo que faz parte do ser.
Sem prós e sem contras, apenas. Apego.
Desinteresse.

7.8.13

XXXVII

Mesmo não apresentando perigo, não significa que esteja equilibrado.
Bem, não me importar mais foi a resposta, minha crítica,
Uma crítica deliberada a mim mesmo.

Algo belo em nossas mãos,
Só isso basta na sede de saciar,
O que não tem limites e nem nunca terá.

Não posso deixar na minha cabeça as minhas falhas.

16.7.13

XXXVI (Não quero mais ser eu)

Quando sento no sofá, não quero mais ser eu;
Quando penso em algo, não quero mais ser eu;
Enquanto eu me perturbo, não quero mais ser eu;
No dias de chuva, nas noites quentes, eu não quero mais ser eu;
Sozinho com mil cegos, não quero mais ser eu;
Sangrando no banheiro, não quero mais ser eu;
Escrevendo isso, não quero mais ser eu;
Raivoso e em paz, não quero mais ser eu;
Fazendo o que não quero e pelo tanto que quero, não quero mais ser eu;
Cansado de ser livre, prostrado na cadeira, não quero mais ser eu;
Em meio ao protesto, procurando pelo resto, não quero mais ser eu;
Lembrando do asfalto, do chocolate errado, não quero mais ser eu;
Cabelos cortados.
Fazendo o que não quero e pelo tanto que quero, não quero mais ser eu.

Eu não sei - falhei, falhei, falhei.
Como homem, humano.
E principalmente como eu.

11.7.13

XXXV (Revolta)

Eu só queria te passar um pouco da minha indignação,
Não é tão difícil assim se você parar para pensar,
Ou é.

Não aceito o que me deram,
Não queria o que me dão.
É melhor parar de se adaptar tão fácil.

Que a alma, simplesmente, caiba.

25.6.13

XXXIV (Talvez, amor)



Nossos olhos se perdem
E o tempo torna-se infinito;
E os operários tecem
Bugalhas de vento que eu nunca vi.

E as nuvens se percebem Mateus Baltasar
Chovendo águas vinda de Paris;
Nossos olhos voltam a se encontrar,
Minha mão alisa tua face e diz coisas que nunca senti.

Apenas com você, minha língua rude
Não blasfema os anjos;
Então, eu te amo amiúde.

Nossos corpos molhados por essa chuva que nunca cessa;
Um cachorro nos olha e não sabe onde eu termino e tu começas;
A relva se desdobra
Para produzir outras terças como essa.

E eu coloco em teu pescoço uma corda
Que quanto mais aperto,
Mais afundo;
E meu coração se esbanja na terra onde pisastes teus pés.

Apenas com você, aureolas possuem significado;
Com tanta beleza até Deus se confunde;
Então, eu te amo amiúde.

13.6.13

XXXIII

Desconsiderar qualquer forma de tradição é o princípio.

Frases que esquecemos em momentos oportunos.
Pausa involuntária, há um tédio em apresentar as nossas maneiras.
Na realidade, está faltando inspiração.

Como um nascido nos noventa sem censo de direção,
Incendiarei o mundo.
Essa é a minha tensão, meta.
Minha consideração pelo o que ainda sobra de veracidade.

7.6.13

XXXII (meio-dia e trinta e dois)

Olho por cima dos seus ombro,
E penso - não sou como eles.

A todo instante tudo está morrendo.
Medrosos como cachorros,
Escravos entre escravos,
A mais doce forma de alienação.

Como algo insuportável perdura tanto tempo?

Uma foto sua me acalma,
Queria fazer um poema para você.

1.6.13

XXXI (Diluído)

Buscando por inovações,
Poderíamos relaxar escutando uma rádio alternativa.
Mas de inédito passaria rapidamente para cansativo, monótono.

Tentando pensar de uma maneira diferente,
Ainda não sabendo o que é o suficiente para isso.

Estou num rio onde não passam a cavalo,
Em cada sentimento
Tive de demonstrar o que eu não tenho,
Tudo bem, me colocaram dentro do jogo.

Alguém arrancando fora cada parte de seu corpo
Apenas para saber o que era por dentro,
De algumas partes não reconhecíamos o gosto.

27.5.13

XXX (Vi e Vi)



Não se culpe.
Desconhecemos o controle das magníficas coisas –
Um dos motivos de estarmos aqui –
E o destino.

Refaço o passado e pinto você por todas as partes;
Quero me desmontar infinitamente e ser você cada sílaba que me modela.
Irremediavelmente me preencherei com sua amplitude,
Como descanso, inspirarei sua voz;
E depois farei com que
Seu sangue seja meu sangue;
E eu vou morar em seu sorriso.

Vi, tantas coisas...
Vivi só você.

Eu amo seu corpo e sua alma.